Graduação no exterior: afinal, vale a pena estudar fora?

A graduação no exterior é uma opção cada vez mais viável e que tem atraído a atenção de muitos brasileiros. Não é para menos: apesar de algumas dificuldades, estudar em outro país oferece benefícios inegáveis, que contribuem tanto no âmbito profissional quanto pessoal.

Fazer as melhores escolhas ainda na graduação, pode ser algo determinante para o seu sucesso profissional. São várias as opções de curso, universidade, ênfase: inúmeras possibilidades disponíveis no mundo todo.

Quer saber se realmente vale a pena estudar fora? Confira aqui 5 motivos pelos quais a graduação no exterior pode ser uma escolha excelente!

1. Você terá a chance de estudar nas melhores universidades do mundo

De acordo com a última classificação publicada pelo Center for World University Rankings, 8 das 10 melhores universidades do mundo estão nos Estados Unidos. A USP, a melhor colocada entre as brasileiras, aparece na 138º posição.

Além de carregarem todo o prestígio de quem figura no topo da maioria dos rankings, as universidades norte-americanas ainda oferecem outra vantagem tentadora: a possibilidade de se formar ao mesmo tempo em duas ou mais áreas diferentes. Ao entrar na universidade, você não precisa escolher de cara qual será sua graduação. Você começa a cursar as matérias que mais te interessam e só depois direciona sua grade de estudos para um determinado curso.

A área escolhida será o seu major, sua formação principal, porém, ainda poderá cursar disciplinas de outras áreas e conseguir um minor, uma formação secundária. Você poderá se formar com major em ciências biológicas, e minor e filosofia, por exemplo, sem falar na possibilidade de conseguir o double major, graduação completa em dois cursos ao mesmo tempo.

2. Os melhores professores estarão ao seu alcance

Buscar uma universidade que está no topo dos rankings não é só uma questão de prestígio. As melhores faculdades têm os melhores professores, e você terá a chance de estudar com grandes nomes da sua área. Já pensou em ler um livro que é referência em uma disciplina e depois tirar dúvidas com o próprio autor?

3. Você poderá formar uma rede de contatos global

Existem universidades que são líderes em internacionalização. Elas recebem inúmeros estudantes do mundo todo e formam uma imensa rede cultural e intelectual. Será uma ótima chance para ter contato com pessoas de diversos países, conhecer pontos de vista e concepções de mundo que você nem sequer imaginava que existiam, além de criar sua agenda com contatos de pessoas de todos os cantos do mundo.

4. Terá a chance de aperfeiçoar um idioma (ou mais)

Nada melhor para treinar um idioma do que ter que lidar com ele no dia a dia. Se você não é fluente, não se preocupe, muitas universidades oferecem programas de adaptação ao idioma para alunos estrangeiros. Se você já é fluente, que tal aproveitar para aprender outro idioma com estudantes de outros países? As universidades europeias também costumam oferecer cursos em outras línguas além do idioma oficial do país.

5. Conhecerá a fundo uma nova cultura

Você pode já ter visitado outros países por um período breve, ou acreditar que conhece muito bem a cultura norte-americana porque vê filmes e séries dos Estados Unidos, por exemplo. No entanto, a imersão em uma cultura diferente precisa ser muito mais profunda para que você a conheça de fato. Alguns meses ou anos estudando no exterior te trarão novas percepções e, com certeza, vão ampliar muito seus horizontes.

As vantagens não param por aí:

  • experiência profissional no exterior;
  • atividades extracurriculares;
  • grade curricular mais flexível;

Se esses são os seus objetivos, com certeza você deve considerar uma graduação no exterior!

Gostou do texto? Curta nossa página no Facebook e fique sempre por dentro de informações como estas!

 

Publicado 29/06/2017

Conheça 4 mestrados internacionais na área das finanças

Os mestrados internacionais na área das finanças é um requisito fundamental para o profissional que deseja alcançar os mais altos cargos, entregando o máximo à empresa.

Alguns dos melhores cursos de mestrado internacionais para a área financeira encontram-se fora do Brasil, e para os profissionais que desejam aprofundar-se em diferentes vertentes, essas são as melhores opções.

O mestrado proporciona maior aprofundamento e especialização em determinadas áreas de atuação da carreira de finanças, formando um profissional impreterível e fundamental dentro de uma corporação.

Este post tratará um pouco mais sobre a experiência dos mestrados internacionais na área das finanças e apresentará as 4 melhores instituições atualmente. Confira!

 

 

1. London Business School (Inglaterra)

Considerada pela Forbes a segunda melhor escola de negócios do mundo e a melhor da Europa, a LBS gradua cerca de 1.400 estudantes por ano.

Seu índice de aproveitamento é ótimo quando falamos de alunos que foram aproveitados no mercado após concluírem o mestrado. Em 2014, 93% dos estudantes que iniciaram os estudos pela instituição foram contratados por empresas renomadas em até 3 meses após formados.

O grande diferencial da LBS é seu corpo docente e discente, formado por professores e PhDs que são consultores e gerentes nas maiores empresas do segmento ao redor do mundo. A experiência de mercado trazida por eles é o grande diferencial no ensino da instituição.

O ingresso na London Business School é rigoroso e o processo seletivo segue as seguintes etapas:

O mestrado da LBS oferece três diferentes cursos, divididos por especializações e voltados para determinados objetivos profissionais. São eles: Global Masters in Management (Global Mim), Master in Management (MiM) e Master in Finance.

 

2. Nova School of Business & Economics (Portugal)

A Nova SBE é a 14ª melhor escola de negócios do mundo, segundo o ranking de 55 instituições promovido anualmente pela renomada revista Financial Times.

Ela é a única instituição de Portugal a constar na lista pelo sexto ano consecutivo, e vem a cada dia mais se tornando referência no segmento mundial.

Outro dado impressionante da Nova é a sua taxa de retorno. Cerca de 92% dos alunos conseguem emprego ao fim de três meses como estudante da instituição. O dado é ainda melhor ao final de um semestre: 97%

A instituição, localizada em Lisboa, oferece três tipos de mestrado: Masters in Economics, Masters in Finance e Masters in Management.

 

3. University of St. Gallen (Suíça)

Instituição com mais de 100 anos de experiência, a HSG é uma das escolas de negócios mais renomadas da Europa.

A universidade é a primeira de língua germânica a receber certificados de qualidade da European Quality Improvement System (EQUIS) e da Association to Advance Collegiate Schools of Business (AACSB International).

Com suas próprias particularidades, a HSG tem em sua filosofia um ensino mais integral, que busca desenvolver nos alunos senso cultural, liderança e pensamento crítico.

O estudante que entra na instituição passa obrigatoriamente pelo Assessment, ou seja, um método que visa uma grade curricular única durante um ano. Durante esse período os alunos desenvolvem as primeiras habilidades científicas e são introduzidos aos objetivos da universidade.

Após o Assessment, os alunos então escolhem sua especialização. A instituição possui uma vasta pasta de especializações, e você pode conferir aqui.

 

4. Harvard Business School (EUA)

A HBS é a escola de negócios mais importante do mundo, sendo colocada como líder nos principais ranking de instituições mundiais do segmento financeiro.

O processo seletivo da universidade é bastante rigoroso, atingindo um percentual que costuma variar de 12% a 13% de aprovação dos candidatos apenas.

Um dos principais pontos a serem destacados é o método de ensino bastante particular da HBS. Nos cursos de mestrado do segmento financeiro, a instituição não trabalha com aulas expositivas, mas sim foca no ensino baseado em debates de cases reais das principais corporações mundiais, promovendo estreitamento de relações interpessoais, resultando no famoso networking, tão fundamental nos ambientes profissionais e acadêmicos.

A tradição e competência das instituições internacionais exigem que o aluno esteja sempre pronto para os testes e processos seletivos. Agora que você já tem base suficiente para escolher seu mestrado em finanças, compartilhe este post em suas redes sociais!

 

Publicado em 20/07/2017

Mestrado no exterior: saiba como escrever a carta de apresentação pessoal

A carta de apresentação pessoal é uma importante etapa a ser cumprida se você quer fazer mestrado no exterior. Também conhecida como carta de motivação, é uma documentação que demonstra os propósitos do candidato.

Assim como o exame de proficiência em língua estrangeira, ela é um documento exigido por muitas instituições de ensino. Mais do que isso, serve para expor suas intenções e aspirações acadêmicas.

Sendo assim, nós elaboramos este texto para te ajudar com algumas dicas sobre como escrevê-la da melhor maneira possível.

 

 

Faça exatamente o que foi pedido

O seu desejo é dar um passo maior em sua carreira acadêmica e estudar fora é bastante enriquecedor nesse sentido. Mas para alcançar o objetivo, você precisa se adequar aos requisitos das instituições de ensino e preencher os formulários individuais.

Cada instituição discrimina as perguntas ou tópicos que devem ser desenvolvidos na apresentação, e você deve falar somente do que foi sugerido.

Reafirme suas motivações científicas, caso isso seja descrito pela proposta. Do contrário, faça somente aquilo que foi pedido, sem ser prolixo.

A linguagem deve ser coesa e clara, para que não haja nenhum mal-entendido a respeito das suas ambições. Afinal, ser erroneamente interpretado pode prejudicar todo o projeto.

 

Não exagere na carta de apresentação pessoal

O principal objetivo dos testes de admissão para mestrado no exterior é conhecer você e saber como pode contribuir com o curso. Portanto, todo cuidado é pouco.

É absolutamente prejudicial falar demais sobre sua biografia. Lembre-se: “pessoal”, neste caso, não quer dizer “íntimo”. Não é recomendado expor sentimentos, ideais de vida ou temas controversos. Os examinadores querem entender melhor o porquê de você se relacionar com a temática proposta.

Ao explicar suas motivações, não é necessário listar todos os grupos de estudo dos quais você fez parte, tampouco redigir um relatório detalhado das dissertações e trabalhos realizados anteriormente. Concentre-se em pontos estratégicos:

  • destaque as razões pelas quais você quer estudar naquele local;.
  • explique — sem ser emotivo — o quão importante esta oportunidade é para sua jornada profissional;
  • faça um resumo contendo apenas os seus principais feitos acadêmicos;
  • seja claro ao justificar por que escolheu aquele programa em vez de outro;
  • mantenha a qualidade do conteúdo em todas as respostas e seja honesto;
  • seja direto e objetivo, o que não significa ser genérico — tenha isso em mente.

Capriche na escrita e deixe um boa impressão

Se você realmente quer ser aceito em alguma instituição para fazer o mestrado no exterior, capriche ao declarar quais são suas motivações. Causar boa impressão é essencial, pois esse primeiro contato com os examinadores pode ter caráter eliminatório.

Revise a ortografia, leia o texto em voz alta, verifique se ele está bem articulado e cumprindo aquilo que foi proposto. Se preciso, faça a revisão várias vezes, a fim de otimizar o processo.

Embora pareça uma mera formalidade, a carta de apresentação pessoal tem relevância para que você seja selecionado. Então, escreva-a com rigor e dedicação.

Gostou do post? Acha que ele pode ajudar mais alguém? Compartilhe-o nas suas redes sociais!

 

Publicado em 07/08/2017

MBA em empreendedorismo no exterior: quais as melhores instituições?

Um MBA em empreendedorismo é o curso ideal para quem pensa em abrir um novo negócio e buscar inovação no mercado de trabalho. Além disso, essa é a direção certa para ficar atualizado em relação a tudo o que acontece em administração e gestão.

Em um MBA, você terá a oportunidade de conhecer outras pessoas, aprimorar seus conhecimentos e aumentar as suas chances de sucesso na carreira.

Stanford, MIT, Universidade de São Diego, Babson College e tantas outras. A verdade é que escolas de negócios e administração estão espalhadas pelo mundo inteiro. Mas, afinal, como saber em qual delas realmente vale a pena investir?

Neste post, selecionamos as melhores opções de instituições no exterior que oferecem MBA em empreendedorismo. Porém, antes de conhecê-las, vamos conferir algumas das vantagens de fazer esse tipo de curso.

Por que fazer um MBA em empreendedorismo?

Seja nos Estados Unidos, no Reino Unido, no Japão ou no Chile, fazer um MBA em empreendedorismo é a maneira mais eficaz de ganhar novos conhecimentos, independentemente da sua formação inicial.

Não é mais segredo que, para garantir o sucesso na carreira e obter mais oportunidades no mercado de trabalho, ou até mesmo para abrir o próprio negócio, fazer um MBA deixa você à frente da concorrência.

Se especializar no exterior é a chance de ter contato real com novas culturas, com idiomas diferentes, com outras maneiras de pensar os negócios, e, principalmente, com pessoas que farão parte de suas conexões com o mundo.

Onde estudar MBA em empreendedorismo fora do Brasil?

Conheça agora algumas das melhores universidades, nos Estados Unidos e no Reino Unido, que podem ser boas opções para você realizar o seu MBA em empreendedorismo.

Babson College

A faculdade mais buscada por visionários e inovadores prepara seus alunos para enfrentarem os desafios do mundo dos negócios. No nordeste americano, em Massachusetts, a Babson se destaca quando o assunto é empreendedorismo, que é o foco do ensino por lá.

Stanford University

A Stanford Graduate School of Business é considerada, pelo ranking de 2017, a melhor universidade de empreendedorismo do mundo. O número de estudantes que abriram o próprio negócio — mais de 30% deles — depois de estudarem em Stanford, é um fator que chama a atenção de quem pretende tentar uma vaga.

MIT-Sloan School

Fazer um MBA em empreendedorismo no Massachusetts Institute of Technology (MIT), também é uma boa escolha para quem quer abrir seu próprio negócio.

O que o deixa em segundo lugar no ranking das melhores é o fato de ter um pouco menos de resultados positivos quanto a financiamentos. Mas, ainda assim, é alto o número de ex-alunos que conseguem dinheiro para abrirem o próprio negócio.

University of San Diego — School of Bussines Administration

Fazendo parte do ranking dos últimos anos, a escola de negócios e administração da Universidade de São Diego é mais uma ótima opção.

Para quem quer estudar em um lugar onde os maiores líderes aprendem, na teoria e na prática, certamente essa é uma possibilidade que não deixa a desejar.

University of Oxford — Saïd Business School

No Reino Unido você encontrará uma escola de negócios que se destaca entre as dez melhores há alguns anos.

Com centros de empreendedorismo e a presença de especialistas londrinos, a universidade de Oxford é destaque quando o assunto é MBA em empreendedorismo.

Quando fazer um curso de MBA no exterior?

Um curso de MBA no exterior vai garantir mais que o sucesso na sua carreira. Pessoas que buscam por esse tipo de especialização se mostram mais propícias à liderança, pois lidam com o que há de mais atual no meio da administração e dos negócios. Estudar em outro país deve ser parte dos planos de quem pensa em crescer e ter bons resultados com seus negócios.

Se você sonha em abrir seu próprio negócio ou quer melhorar as condições da sua carreira, fazer um MBA em empreendedorismo no exterior pode ser a porta para essas conquistas.

Executivos de todo o mundo buscam, nesse tipo de curso, o aprimoramento de suas habilidades e, consequentemente, passam a ganhar melhores salários e destaque entre seus colegas.

Você já pensou em fazer um MBA em empreendedorismo no exterior? Conte para a gente aqui nos comentários!

 

Publicado 23/11/2017

Como conseguir uma bolsa de estudos para faculdade nos EUA?

São muitas as oportunidades de se conseguir uma bolsa de estudos nos EUA. Com currículos flexíveis e grande engajamento com o mercado de trabalho, o número de brasileiros estudando nos Estados Unidos aumentou nos últimos anos.

As bolsas podem ser para grandes universidades — como o MIT, Harvard e Stanford — ou para instituições menos conhecidas, porém, não menos conceituadas, como a Babson College.

Diferentes institutos, como o Education USA e Fundação Estudar, auxiliam nas buscas e na conquista de bolsas para quem quer se graduar fora do Brasil, chegando a cobrir quase 100% das despesas com os estudos.

Neste post, listamos os principais requisitos para se obter uma bolsa de estudos nos Estados Unidos, incluindo documentação exigida e avaliações necessárias. Esperamos que ao final do texto você se sinta seguro para escolher a instituição mais adequada e que consiga estudar fora como sempre quis. Vamos lá?

Verifique os requisitos básicos para obter uma bolsa

As bolsas são oferecidas para diferentes modalidades de estudos, envolvendo desde cursos de inglês até os últimos níveis de pós-graduação. Para cada candidatura de bolsa, um nível de conhecimento da língua inglesa e de domínio da área poderá ser solicitado.

Algumas instituições abrem processos de seleção de bolsas para músicos, esportistas e pessoas com baixa renda. Outras vezes, porém, conseguir uma bolsa dependerá do mérito do candidato, ou seja, das suas avaliações acadêmicas anteriores ao processo seletivo.

Organize os documentos necessários para estudar nos EUA

Ao se candidatar a uma bolsa de estudos nos EUA, normalmente, o candidato precisa comprovar seu bom desempenho como estudante e atividades extras escolares. Além disso, são pedidas cartas de recomendação que comprovem suas atividades durante o período escolar.

Redações de temas sobre sua vida estudantil ou sobre conhecimentos da sua área de atuação e/ou cartas de apresentação pessoal também podem ser solicitadas. Isso sem falar que, durante o processo de aceitação do candidato, documentos pessoais devem ser providenciados, como visto e passaporte.

Entre as avaliações exigidas, destacamos o SAT — Scholastic Aptitude Test —, conhecido como a versão americana do ENEM e, portanto, um exame para medir a aptidão escolar do estudante de maneira mais ampla.

Explore as possibilidades de bolsas de estudos nos EUA

Existem diferentes instituições apoiadoras de quem quer estudar fora do país. Entre elas, destacamos a EducationUSA e a Fundação Estudar, mencionadas no início deste post.

EducationUSA

A EducationUSA é a instituição mais indicada para começar a sua busca. Com o programa Oportunidades Acadêmicas, eles selecionam candidatos e os ajudam financeiramente durante o processo de seleção, cobrindo custos com testes e traduções necessárias.

Fundação Estudar

Com diferentes programas, as oportunidades são abrangentes para quem procura o apoio da Fundação Estudar. Os financiamentos variam entre 5% e 95% dos custos dos estudos. Para a preparação do candidato, eles têm o programa Prep Course, em que os selecionados recebem apoio psicológico, administrativo e financeiro no processo de seleção.

Conheça pessoas que estudaram ou estudam nos Estados Unidos

Para você não ter a sensação de que está dando tiros no escuro, antes de tomar a decisão sobre onde estudar, procure por pessoas que já fizeram ou ainda fazem faculdade nos EUA. Se você não conhece ninguém, uma dica válida é buscar vídeos no YouTube ou blogs de pessoas que contam suas experiências.

Se você quer ficar de olho em oportunidades de ter uma bolsa de estudos nos EUA, indicamos fontes confiáveis como o blog Estudarfora.org — ligado ao EducationUSA, o site da Fundação Estudar, do Partiu Intercâmbio, da Fullbright e as páginas das próprias universidades. Lá você encontrará datas e prazos para inscrições nos processos, além de mais dicas sobre como estudar nos EUA.

Então, já está pronto para encontrar o curso ideal? Deixe sua opinião nos comentários e conte para a gente como este post lhe ajudou!

 

Publicado 12/12/2017

Descubra aqui o que faz o profissional de relações com investidores

 

No Brasil, ainda são consideradas poucas as empresas que atuam em um modelo de capital aberto. No entanto, esse cenário está mudando e a perspectiva é de que cada vez mais empresas adotem este sistema. Assim, o profissional de relações com investidores, também chamado de RI, encontra pela frente um campo fértil de possibilidades.

Considerada uma profissão nova, o RI aparece como uma aposta em um mercado financeiro cada vez mais maduro e competitivo. Antes, as informações a respeito das empresas eram repassadas ao público por seus presidentes ou gestores. No entanto, com a crescente demanda, foi necessário estipular um profissional específico para essa função.

Quer saber mais sobre essa profissão, quais são suas competências e se ela é um bom caminho a seguir? Acompanhe este post!

 

O que é um profissional de relações com investidores?

Esse profissional atua como uma ponte entre a empresa e seus potenciais investidores. Ele congrega os esforços dos setores de marketing, financeiro e de comunicação com o intuito de concentrar informações a respeito da saúde da empresa e divulgar o seu potencial de investimento.

Ele atua também repassando ao mercado financeiro as informações sobre a empresa, possibilitando, dessa forma, que ela possa influenciar nos valores determinados para suas ações. Isso pode fazer com que a empresa seja mais valorizada no mercado, transparecendo credibilidade e segurança para receber investimentos.

O caminho inverso também é de responsabilidade do RI, que deve levar para a empresa o feedback do mercado, de forma a traçar estratégias para que se possam resolver eventuais problemas ou demandas.

 

De que forma atua esse profissional?

O profissional de relações com investidores atua dentro de empresas de capital aberto, representando essa empresa perante os investidores e o mercado financeiro e promovendo uma aproximação mais eficaz por meio da troca de informações especializadas.

O RI participa de eventos, realiza reuniões com investidores em potencial e com acionistas, prestando contas. Ele administra informações que vão além dos releases obrigatórios — como o relatório anual —, tornando-se o porta-voz da empresa perante o mercado e também do mercado perante a empresa.

É função dele, em contato com os outros departamentos da empresa, traçar estratégias de comunicação e posicionamento da empresa, avaliando quais informações deverão ir a público.

O RI atua buscando novos investidores e desbravando mercados ainda não explorados pela empresa — diferentes perfis de acionistas ou mesmo regiões nacionais e internacionais. Além disso, trabalha percebendo alterações na saúde financeira da empresa; neste caso, é seu papel investigar e informar os setores responsáveis a respeito dessas mudanças, quando indesejadas.

 

Que características deve ter o RI?

O profissional de relações com investidores possui acesso a informações privilegiadas e que, nem sempre, devem ser informadas ao público. Portanto, este é considerado um cargo de confiança.

Em função disso, o bom RI deve ser discreto e ter bom jogo de cintura. As suas habilidades de comunicação devem ser excepcionais, uma vez que ele passará boa parte do tempo dialogando com executivos ou se expondo em veículos de comunicação. Falar outras línguas é imprescindível.

Deve conhecer profundamente o mercado financeiro e saber identificar oportunidades ou momentos de retração. Principalmente, deve ser o grande especialista sobre a empresa que representa, conhecendo, inclusive, seu histórico financeiro, para que possa elucidar questões a respeito de épocas em que não trabalhava nela.

O trabalho do profissional de Relações com Investidores é fundamental para o real crescimento da empresa de capital aberto. Com uma demanda cada vez maior no mercado, o investimento nesta área de atuação se torna estratégico. Hoje, existem diversos cursos disponíveis para prepará-lo para o mercado financeiro.

Sente-se pronto para se tornar um profissional de relações com investidores? Quer saber mais sobre o assunto? Para receber mais conteúdos como esse, siga-nos no Facebook e no LinkedIn e veja tudo em primeira mão!

 

Publicado 29/06/2017

Como redigir cartas de apresentação para estudo no exterior

Conheça os modelos mais pedidos pelas instituições e como escrevê-los bem.

São diversas as etapas a cumprir e os documentos a preencher para estudar no exterior. Um dos que mais causam preocupação ao candidato é a carta de apresentação. O principal motivo para a apreensão é que não há um modelo pronto disponível a ser seguido e, por isso, as dúvidas são muitas.

Em primeiro lugar, o tipo de carta de apresentação pode ser diferente de acordo com o curso ou instituição. Para um MBA no exterior, o mais comum é que seja pedida uma carta de recomendação profissional. Para o mestrado, além da profissional, a acadêmica também costuma ser uma exigência. A maioria pede, ainda, uma carta motivacional ou de apresentação pessoal (personal statement), que deve sintetizar para os avaliadores os motivos da escolha do candidato pela instituição e a importância disso para sua carreira e futuro.

Orientar profissionais e universitários sobre como escrever boas cartas de apresentação faz parte da rotina do norte-americano Darrin Kerr desde 2004. Foi nesse ano que abriu a FK Partners, empresa em São Paulo que oferece cursos de certificação na área de finanças e consultoria para quem quer fazer graduação, MBA ou mestrado no exterior. Kerr aponta os erros mais comuns cometidos pelos candidatos e dá as dicas para causar uma boa impressão e ser aprovado para seu curso fora do Brasil.

Erros comuns

– Achar que a carta de recomendação será mais efetiva se for assinada por alguém com um alto cargo na empresa e na universidade.
A carta de recomendação deve ser escrita e assinada por alguém que realmente conheça o candidato. Isso vale tanto para a modalidade profissional quanto para a acadêmica. Apenas um chefe direto ou um professor bastante próximo poderá escrever com propriedade sobre os pontos fortes e fracos do candidato.

– Só falar dos pontos fortes
A carta deve ser verdadeira, porém sem exageros nos elogios. A instituição ou universidade estrangeira não está procurando pessoas perfeitas, mas alunos de diferentes perfis que possam contribuir e agregar experiências junto aos outros colegas. E, acima de tudo, que possam usufruir do que o curso vai oferecer.

– Escrever demais
Os candidatos são muitos e, quanto mais enxuta e objetiva for a carta, mais chance tem de ser lida com atenção pelos avaliadores. Portanto, não deve ultrapassar duas páginas.

– Não investir em um bom tradutor
O avaliador deve entender a mensagem perfeitamente. Por isso, vale a pena pagar para um bom tradutor fazer a versão da carta no idioma do país da instituição para a qual você está aplicando. Tradutores on-line não bastam!

Agora que você já sabe o que evitar, saiba como escrever uma boa carta, seja ela de recomendação ou de apresentação:

CARTA DE RECOMENDAÇÃO PROFISSIONAL OU ACADÊMICA

Escolha o chefe ou o professor que irá redigir o documento. É importante que a carta confirme tudo aquilo que você já disse em entrevistas anteriores ou na sua própria carta de apresentação. Deve estar em papel timbrado ou template da empresa ou universidade.

1. Seguir o que foi pedido

É cada vez mais comum, em especial no caso dos MBAs, que a instituição passe uma lista de perguntas a serem respondidas na carta, seja a profissional ou a acadêmica. Todas as respostas devem ser acompanhadas de exemplos. Se for destacar que o candidato é um bom colega, deve explicar o motivo. Exemplo: substituiu uma colega em licença maternidade e conseguiu fechar um projeto com o cliente, que estava apreensivo devido ao afastamento da funcionária que era seu ponto de contato.

2. Conteúdo mínimo

Algumas instituições, hoje, já disponibilizam um sistema on-line em formato de pergunta e resposta com espaço para preenchimento. Nesse caso, o candidato deve informar o e-mail do chefe e/ou professor escolhido e a instituição entra em contato diretamente com ele para enviar o link de acesso.

A seguir, confira os itens que costumam estar na lista das exigências. Se a sua instituição não passar as orientações, siga esse roteiro:

a) Como é seu relacionamento com o candidato
Aqui o professor ou chefe deve responder a relação formal que existe entre vocês e há quanto tempo, bem como as atividades que o candidato desempenha sob sua orientação ou comando

b) Mostre um exemplo de liderança do candidato
Como o candidato se comportou e desenvolveu um projeto em que foi líder e os resultados disso. No ambiente universitário, pode contar os grupos e clubes dos quais você fez parte.

c) Destaque dois pontos fortes
A pergunta costuma ser aberta, mas além de liderança, criatividade, capacidade de inovar, facilidade em trabalhar em grupo e boa comunicação são algumas características muito valorizadas. Vale a pena apostar em duas delas.

d) Indique dois pontos a melhorar
Aqui o chefe ou professor deve citar duas características a serem melhoradas e dizer como elas já têm sido trabalhadas pelo postulante. Por exemplo, se o ponto a ser melhorado é comunicação interpessoal, vale dizer que tem dado feedback sobre isso ao candidato a cada seis meses e que ele tem evoluído, demonstrando interesse em realizar apresentações à equipe a fim de treinar a habilidade.

e) Como é o candidato em relação a seus colegas de mesmo nível ou pares
Destacar pontos fortes, ressaltar que é um dos melhores em alguma atividade ou características e explicar o motivo, dando exemplos.

f) É realmente um bom candidato para o MBA ou mestrado nesta universidade ou instituição?
Explicar o que o curso vai contribuir para a formação em termos de conteúdo, assim como a experiência internacional.

CARTA DE APRESENTAÇÃO OU DE INTENÇÕES

Essa é a declaração que o próprio candidato precisa escrever contando sobre suas intenções, características e planos para o futuro. Além de seguir os mesmos passos da carta de recomendação, é essencial que você conte seus planos para depois do mestrado ou MBA e a maneira como ele contribuirá para seu caminho até os objetivos.

Outro ponto importante é destacar características diferenciais, como um terceiro idioma (além do materno e do país onde pretende estudar), intercâmbios e viagens internacionais, trabalho voluntário e habilidades incomuns à sua área. Exemplo: se você é administrador de empresas, mas já desenvolveu um aplicativo, vale a pena contar, pois mostra uma habilidade técnica que poucos colegas da sua área têm.

Gostou desse artigo? Conheça o serviço de consultoria que vai apoiar você na realização de seu sonho e construa uma carreira de sucesso.

 

Publicado em 19/04/2018

O que é necessário para desenvolver uma boa carreira no setor bancário?

O setor bancário é certamente um campo atraente para quem visa bons salários e benefícios adicionais, como participação no lucro das empresas e até auxílio para pagar academia.

Se você visa uma carreira em banco, procure entender algumas questões essenciais que vão te ajudar nesse processo. Isso vai desde a faculdade que você faz até cursos extras que complementarão o seu currículo.

Nas dicas a seguir, você vai descobrir a melhor maneira de achar o seu lugar ao sol no setor bancário.

 

1. Faça faculdade e habilite-se profissionalmente

Não muito diferente de outras áreas em que existe chance de progressão, o mercado financeiro também exigirá de você formação em alguma faculdade que possa ser útil à estrutura de um banco.

As possibilidades são várias e você deve escolher aquela que melhor atende ao seu perfil e aos seus objetivos. Veja alguns dos cursos mais recorrentes no setor bancário:

  • Administração;
  • Economia;
  • Ciências Contábeis;
  • Sistema de Informação;
  • Segurança da Informação;
  • Marketing.

 

Aqui citamos apenas algumas faculdades de diferentes campos do conhecimento. Porém, saiba que isso se estende a diversos outros como Gestão Financeira, Direito e até mesmo Engenharia.

Outra questão essencial é tirar o certificado CPA-10 (Certificação Profissional ANBIMA — Série 10) que habilita profissionais atuantes na prospecção ou venda de produtos de investimento. Existem diversos cursos que preparam para o exame de certificação e você deverá estar apto para isso.

 

2. Desenvolva suas habilidades comportamentais

Ter uma graduação é o requisito mínimo para ter destaque no setor bancário. Portanto, você terá que ir além e conquistar o seu espaço no mercado por meio de atitudes que comprovem sua capacidade de gerir e liderar.

Em concursos para bancos públicos, por exemplo, costuma-se aceitar graduados de qualquer área, o que pode tornar o seu desejo de se destacar ainda mais complexo.

Além do mais, pense que para conseguir um cargo de gestão de forma consistente e honesta, você terá que começar mais baixo e traçar um plano que o fará atingir o cargo de gerência com legitimidade e sem desgastes desnecessários.

Nesse sentido, existem alguns comportamentos que podem te ajudar:

  1. não se afobe em querer um alto cargo em um curto período de tempo;
  2. treine e dome sua capacidade de lidar com pessoas diferentes e novos desafios;
  3. seja organizado em sua vida pessoal e transpareça isso no seu trabalho;
  4. a verdadeira liderança não vem da força, mas sim do exemplo individual.

 

Trocando em miúdos, você não vai querer ser gerente de banco se não estiver realmente preparado — e isso vai além da graduação somente.

 

3. Seja “um ás” do setor bancário

Sim, é muito bom e essencial que você seja graduado e tenha boa capacidade de relação interpessoal. Porém, para chegar no topo você ainda vai precisar de mais do que isso. Afinal, pode existir um número considerável de pessoas graduadas e bem relacionadas que almejam o mesmo cargo que você.

Por isso, existem alguns cursos e formações complementares fundamentais para quem busca ascensão no setor bancário. Com essas especializações, é possível obter conhecimentos práticos que farão a diferença no seu dia a dia profissional.

Fazer um bom curso de inglês e estudar fora, são outros pontos que certamente te auxiliarão a atingir uma posição de destaque. Aliás, você deve juntar o útil ao agradável e aproveitar a chance de estudar fora para aprimorar de uma vez por todas o seu inglês.

Com essas 3 dicas simples, já é possível dar um salto na maneira como você encara o setor bancário e otimizar sua carreira. Se gostou do texto, não deixe compartilhar nas redes sociais para que a gente possa continuar ajudando mais profissionais dessa área.

 

Publicado em 24/07/2017

O que é GMAT e como se preparar para esse teste?

Você é um profissional que se preocupa em estar sempre se aprimorando de maneira reconhecida no mercado? Está na hora de entender o que é GMAT e como ele é importante para seu sucesso. Com ele, você vai garantir mais uma conquista que vai elevar seu currículo a um novo patamar.

Esse teste tem provado ser de extrema importância para qualquer profissional que pretende ingressar em um MBA no exterior. Neste post, vamos lhe apresentar o GMAT, além de mostrar como ele pode contribuir para a sua carreira.

Fique atento à leitura e aproveite as dicas para se preparar e garantir uma nota competitiva no exame. Confira!

O que é GMAT?

Essa sigla se refere ao Graduate Management Admission Test, que é um teste de admissão padronizado, específico de origem americana.

Ele é administrado pelo Graduate Management Admission Council, e é utilizado por comitês de admissão de diversas escolas do exterior. O exame avalia as aptidões dos candidatos e auxilia no processo de seleção para cursos renomados de MBA.

Veja a seguir algumas informações básicas sobre o GMAT:

Investimento: 250 dólares;

Duração: 3h30;

Pontuação máxima: 800;

Pontuação mínima: 200.

Vale ressaltar que o GMAT só é aplicado por centros habilitados e pode ser realizado, no máximo, cinco vezes em um ano.

Qual é a importância do exame?

O GMAT é um teste decisivo, não só para profissionais das áreas de administração de negócios e do setor financeiro em geral mas para diversos outros setores. Se você pretende estudar ou trabalhar no exterior, precisa conquistar uma boa pontuação nesse exame. Mas, porquê?

Bom, a nota do GMAT é exigida pela maior parte das escolas de negócios nos EUA e na Europa. Partindo do princípio de que essa pontuação pode ser apenas uma das etapas cobradas pelos comitês de seleção, sair-se bem no exame é fundamental, não é mesmo?

Como o GMAT se estrutura?

Assim como a maioria dos testes, provas e exames acadêmicos, o GMAT também tem um padrão. Ter um bom conhecimento da língua inglesa e domínio dos cálculos matemáticos pode não ser suficiente para se sair bem no teste.

A prova possui tempo contado e várias pegadinhas. Por isso, é seguro dizer que você deve programar, no mínimo, 4 meses de preparação antes de se candidatar ao exame. Inclusive, o perfil dos seus concorrentes será desse nível para cima, ou seja, estudo prévio e bem planejado é essencial.

Outra particularidade sobre o GMAT é que, apesar de ser uma ferramenta utilizada por escolas de negócios, ele não trata especificamente sobre esse tema.

Na verdade, o teste busca desafiar a inteligência do candidato e mensurar sua desenvoltura sob pressão. Por isso, ele é dividido entre as seguintes seções:

1 – redação escrita/analítica;

2 – raciocínio integrado;

3 – seção quantitativa;

4 – seção verbal;

Você terá 30 minutos disponíveis para realizar cada uma das duas primeiras etapas e 75 minutos para responder cada uma das duas últimas, que consistem em questões objetivas.

O principal ponto que você precisa ter em mente sobre a estrutura do teste é que ele é realizado de uma maneira extremamente interativa.

O GMAT é feito no formato Computer Adaptive Test (CAT). Isso quer dizer que o nível de dificuldade das questões que você vai responder vai aumentar ou diminuir de acordo com seu desempenho no início da prova.

Geralmente as primeiras questões são de nível mediano. Se você conseguir respondê-las corretamente, as próximas questões terão níveis mais altos e valerão mais pontos, e vice-versa.

Como se preparar para o teste?

Para se tornar um candidato mais afiado, você precisa voltar toda a sua preparação para as seguintes habilidades (lembrando que a prova é toda realizada na língua inglesa):

 – análise;

 – argumentação;

 – suficiência de dados;

 – resolução de problemas;

 – interpretação, leitura e compreensão;

 – raciocínio lógico.

A melhor maneira de garantir que estará capacitado para o GMAT é, primeiro, diagnosticar o seu nível de conhecimento sobre a teoria que será cobrada e garantir que ele seja satisfatório. Em segundo lugar, parta para simulados e treinos.

Em ambas as etapas, busque referências de profissionais e candidatos que já fizeram e possuem familiaridade com o teste. Você também pode buscar cursos preparatórios de qualidade. Conheça agora mesmo o curso preparatório da FK Partners!

Publicado em 06/12/2017

Porque gerentes de relacionamento bancário se tornam agente autônomos?

O trabalho do gerente de relacionamento bancário não é tão diferente do de um agente autônomo de investimentos. Ambos, na prática, vendem produtos financeiros, precisam ter competência técnica, ter bons relacionamentos com clientes, possuem metas de vendas dentre muitos outros tópicos que poderíamos elencar.

A segurança financeira também não é tão diferente. Talvez neste quesito o gerente de banco leve vantagem porque normalmente recebe uma remuneração fixa. Mas hoje em dia é difícil um gerente de relacionamento de banco ficar seguro em relação ao seu emprego. Um dos motivos é que um grande número de investidores estão deixando de investir seus recursos em bancos e procurando corretoras. Ou seja, está havendo a tal da “desbancarização”. Isso acarreta um potencial de redução do número de gerentes e risco de desemprego.

No quesito jornada de trabalho o agente autônomo de investimento leva um pouco de vantagem, por não que bater ponto e ter flexibilidade (não tem um chefe).

Em geral, os gerentes de relacionamento bancário têm se tornado agentes autônomos, pelo potencial de maiores ganhos. Um agente autônomo de investimento tipicamente recebe uma remuneração variável maior em cima dos investimentos realizados pelos seus clientes que um gerente de banco.

Aparentemente a maior motivação para essa mudança de ambiente profissional seria para gerentes de relacionamento com uma carteira grande de clientes fiéis. Para estes, a remuneração variável maior poderia ter um apelo enorme e a ausência de remuneração fixa não seria sentida.