Quer se tornar um Financial Risk Manager? Como a Certificação FRM® pode dar um “up” na sua carreira.

Antes da certificação, o que faz um gestor de risco?

Introdução

O profissional do futuro nunca vai parar de estudar. Acabou aquela mentalidade de fazer uma faculdade, depois um MBA e seguir sua carreira. O profissional do futuro precisa de conhecimento técnico específico e profundo, além de uma boa dose de soft skills, como mindset, inteligência emocional e trabalho em equipe.

Para aqueles profissionais que fazem gestão de risco ambas capacidades são ainda mais críticas, afinal de contas gerenciar a incerteza nunca foi tão importante. Porém é mais que simplesmente dominar estatística e funções matemáticas complexas. É preciso entender o ser humano. Quem já entrou em um comitê de crédito ou em uma Tesouraria em dia de crash, sabe do que estou falando? O ser humano é pouco racional boa parte do tempo. É preciso entender de tecnologia, de como a computação e as redes neurais processam milhões de operações por segundo para nos dizer se aquele cliente é ou não um bom pagador, se aquele derivativo vai ou não proteger minha exposição, se aquela garantia vai ou não perder valor.

Então onde o profissional de riscos aprenderá a matemática, as ciências comportamentais e a tecnologia? A certificação em Financial Risk Management — FRM® — tenta preencher todas essas lacunas, rapidamente se tornou indispensável para quem quer trabalhar com a gestão financeira de risco nas economias mais avançadas, e chegou no Brasil. No post de hoje, vamos falar um pouco sobre a importância desse certificado para a sua carreira. Leia e confira tudo o que precisa saber!

Antes da certificação, o que faz um gestor de risco?

O objetivo desse profissional é garantir que a empresa corra menos riscos ou tenha uma rentabilidade ajustada ao risco maior.

O que é a certificação FRM®?

Gerente de Risco é uma pessoa que têm a capacidade de assumir ou recomendar riscos calculados. São, em geral profissionais que estão preocupados em gerenciar ou evitar perdas. É comum trabalharem sob muita pressão, movimentando grandes volumes monetários e normalmente acompanham mais de um mercado ao mesmo tempo.

No Brasil o perfil típico da área de risco financeiro são analistas da área de crédito dos bancos, mas esse é só um pedaço do iceberg. Gerentes de risco cuidam de riscos de liquidez nas tesourarias dos bancos, riscos de mercado nas mesas proprietárias, riscos operacionais de toda uma empresa ou banco, riscos de modelo de uma seguradora e até riscos representacionais em grandes conglomerados. Um bom gerente de risco pode: • Planejar operações de trading; • Adotar políticas e procedimentos para cada tipo de risco, bem como desenvolver relatórios sobre eles; • Estruturar medidas de retorno com base no risco; • Definir o apetite ao risco de determinada organização; • Gerir e otimizar o capital da empresa de uma maneira geral. • O objetivo desse profissional é garantir que a empresa corra menos riscos ou tenha uma rentabilidade ajustada ao risco maior.

O que é a certificação FRM®?

É um certificado mundial criado pela Global Association of Risk Professionals (GARP), uma associação americana sem fins lucrativas composta por pesquisadores e profissionais que atuam na indústria financeira americana. A GARP diz que, ao conquistar a certificação FRM, o profissional atesta aos empregadores um conhecimento validado de acordo com os padrões profissionais internacionais.

Hoje essa é uma das certificações mais respeitadas em todo o mundo, com aproximadamente 30 mil profissionais certificados em 141 países.  A prova consiste em duas partes.

Prova 1

Na Parte I o candidato faz 100 questões de múltipla escolha em até quatro horas. São testados conhecimentos sobre as ferramentas utilizadas para avaliar os riscos financeiros, como Fundamentos de Gestão de Riscos (20%), Análise Quantitativa (20%), Mercado Financeiro e Produtos (30%), e Modelos de Risco e Avaliação (30%).

Prova 2

Na Parte II são feitas 80 questões de múltipla escolha que devem ser respondidas também em quatro horas. Aqui o candidato deve mostrar que sabe aplicar o conhecimento da Parte I ao mercado, crédito, gerenciamento de riscos operacional e integrado. Os principais pontos são Medição e Gestão do Risco de Mercado (25%), Medição e Gestão do Risco de Crédito (25%), Gestão Operacional e Integrada de Risco (25%), Gestão de Riscos e Gestão de Investimentos (15%), e Atualidades em Mercados Financeiros (15%).

Resultado da prova

Depois de fazer ambas provas o aluno recebe um score, onde não são penalizados por respostas erradas. As pontuações de aprovação são determinadas pelo Comitê do FRM. Os resultados do exame são pass/fail (aprovado/reprovado) e são enviados por e-mail cerca de seis semanas após o exame. Os candidatos recebem seus resultados comparando seu desempenho com o de outros candidatos. Os percentuais de aprovação variam de prova pra prova, mas variam de 40% a 45% na Part I e 50% a 55% pra Part II.

Depois de atingir a pontuação de aprovação em ambas partes, os candidatos devem demonstrar um mínimo de dois anos de experiência de trabalho em tempo integral em finanças ou em áreas afins para completar a certificação. A experiência de trabalho pode incluir: negociação, gerenciamento de carteira, pesquisa da indústria, auditoria, consultoria de risco ou tecnologia de risco. A Certificação FRM é em inglês e é realizada duas vezes ao ano, nos meses de maio e novembro.

Detalhes importantes do FRM®

O candidato tem que se inscrever no site da GARP e a taxa de inscrição é salgada. Para as provas de 2019 o valor da inscrição vai de USD $ 750 a $ 1.050, dependendo da antecedência com que o candidato se inscreveu (são 3 datas de corte, quanto antes, mais barato).

A prova é realizada presencialmente em mais de 100 lugares em todo o mundo. Se quiser ver a lista completa de todas as cidades, pode-se consultar diretamente no garp.org

Preparação adequada para o exame FRM®

Por ser em inglês e com um currículo internacional, ter o FRM® dá ao profissional a capacidade de trabalhar em qualquer lugar do mundo. Mas o caminho é longo e árduo!

No Brasil o grande preparador para o FRM® é a FK Partners, talvez o maior especialista em certificações de Finanças da América Latina. Segundo Raphael Palone, sócio da FK e professor de várias certificações, dentre elas o FRM®, é preciso cerca de 240 horas de estudo para cada Parte do FRM®. “É ligeiramente menos matéria que o CFA®, porque o conteúdo é mais focado, mas tem a mesma profundidade, mesmo grau de dificuldade e o fato de ser em inglês também faz o estudo mais lento para um brasileiro”, explica Palone.

O curso da FK tem 54 horas de carga horária (18 aulas) e o aluno recebe ainda o material Kaplan Schweser para estudar. A Kaplan é uma das maiores editoras do mundo, e tem livros técnicos que ajudam na preparação do candidato a várias certificações técnicas, como o FRM®, o CFA® e o CAIA®. A FK é a revendedora exclusiva desse material.

Os profissionais que buscam o FRM® buscam crescer dentro de áreas de crédito, em Tesourarias, auditores, gestores de portfólio, seguradoras e áreas de controles internos das empresas e dos bancos. Após tirar a certificação os profissionais têm movimentos verticais ou diagonais de carreira, e podem também receber ofertas para carreiras internacionais.

 

Publicado em 28/01/2019

O que é GMAT e como se preparar para esse teste?

Você é um profissional que se preocupa em estar sempre se aprimorando de maneira reconhecida no mercado? Está na hora de entender o que é GMAT e como ele é importante para seu sucesso. Com ele, você vai garantir mais uma conquista que vai elevar seu currículo a um novo patamar.

Esse teste tem provado ser de extrema importância para qualquer profissional que pretende ingressar em um MBA no exterior. Neste post, vamos lhe apresentar o GMAT, além de mostrar como ele pode contribuir para a sua carreira.

Fique atento à leitura e aproveite as dicas para se preparar e garantir uma nota competitiva no exame. Confira!

O que é GMAT?

Essa sigla se refere ao Graduate Management Admission Test, que é um teste de admissão padronizado, específico de origem americana.

Ele é administrado pelo Graduate Management Admission Council, e é utilizado por comitês de admissão de diversas escolas do exterior. O exame avalia as aptidões dos candidatos e auxilia no processo de seleção para cursos renomados de MBA.

Veja a seguir algumas informações básicas sobre o GMAT:

Investimento: 250 dólares;

Duração: 3h30;

Pontuação máxima: 800;

Pontuação mínima: 200.

Vale ressaltar que o GMAT só é aplicado por centros habilitados e pode ser realizado, no máximo, cinco vezes em um ano.

Qual é a importância do exame?

O GMAT é um teste decisivo, não só para profissionais das áreas de administração de negócios e do setor financeiro em geral mas para diversos outros setores. Se você pretende estudar ou trabalhar no exterior, precisa conquistar uma boa pontuação nesse exame. Mas, porquê?

Bom, a nota do GMAT é exigida pela maior parte das escolas de negócios nos EUA e na Europa. Partindo do princípio de que essa pontuação pode ser apenas uma das etapas cobradas pelos comitês de seleção, sair-se bem no exame é fundamental, não é mesmo?

Como o GMAT se estrutura?

Assim como a maioria dos testes, provas e exames acadêmicos, o GMAT também tem um padrão. Ter um bom conhecimento da língua inglesa e domínio dos cálculos matemáticos pode não ser suficiente para se sair bem no teste.

A prova possui tempo contado e várias pegadinhas. Por isso, é seguro dizer que você deve programar, no mínimo, 4 meses de preparação antes de se candidatar ao exame. Inclusive, o perfil dos seus concorrentes será desse nível para cima, ou seja, estudo prévio e bem planejado é essencial.

Outra particularidade sobre o GMAT é que, apesar de ser uma ferramenta utilizada por escolas de negócios, ele não trata especificamente sobre esse tema.

Na verdade, o teste busca desafiar a inteligência do candidato e mensurar sua desenvoltura sob pressão. Por isso, ele é dividido entre as seguintes seções:

1 – redação escrita/analítica;

2 – raciocínio integrado;

3 – seção quantitativa;

4 – seção verbal;

Você terá 30 minutos disponíveis para realizar cada uma das duas primeiras etapas e 75 minutos para responder cada uma das duas últimas, que consistem em questões objetivas.

O principal ponto que você precisa ter em mente sobre a estrutura do teste é que ele é realizado de uma maneira extremamente interativa.

O GMAT é feito no formato Computer Adaptive Test (CAT). Isso quer dizer que o nível de dificuldade das questões que você vai responder vai aumentar ou diminuir de acordo com seu desempenho no início da prova.

Geralmente as primeiras questões são de nível mediano. Se você conseguir respondê-las corretamente, as próximas questões terão níveis mais altos e valerão mais pontos, e vice-versa.

Como se preparar para o teste?

Para se tornar um candidato mais afiado, você precisa voltar toda a sua preparação para as seguintes habilidades (lembrando que a prova é toda realizada na língua inglesa):

 – análise;

 – argumentação;

 – suficiência de dados;

 – resolução de problemas;

 – interpretação, leitura e compreensão;

 – raciocínio lógico.

A melhor maneira de garantir que estará capacitado para o GMAT é, primeiro, diagnosticar o seu nível de conhecimento sobre a teoria que será cobrada e garantir que ele seja satisfatório. Em segundo lugar, parta para simulados e treinos.

Em ambas as etapas, busque referências de profissionais e candidatos que já fizeram e possuem familiaridade com o teste. Você também pode buscar cursos preparatórios de qualidade. Conheça agora mesmo o curso preparatório da FK Partners!

Publicado em 06/12/2017