5 dicas para saber se o seu projeto é financeiramente viável

Como saber se um projeto é financeiramente viável?

 

Quando você precisa iniciar um novo projeto, você sabe por onde começar a analisar a viabilidade dele? Neste texto daremos 5 dicas para você iniciar um projeto sabendo se ele é financeiramente viável!

1.Um horizonte de tempo a analisar

Se você projetar 70 anos de fluxo de caixa para frente, provavelmente seu projeto vai se repagar e vai valer a pena ser feito. Mas você tem essa visibilidade toda quanto ao fluxo de caixa? Com exceção de algumas concessões muito específicas como rodovias ou energia elétrica, não conseguimos enxergar muito além de 4 ou 5 anos. Quanto tempo para frente você projetou?

2. Comparação entre projetos em bases de risco iguais

Se você não fizer esse projeto, onde seu dinheiro vai ficar? Muito analista compara alternativas de maneira equivocada, de um lado um projeto alavancado e com muito risco, de outro, o CDI. Claro que não se pode fazer isso sem ajustar o risco das alternativas. Pode-se usar, por exemplo, o Pure Play Method para isso.

3. Comparação entre projetos em bases de tempo iguais

Então um projeto tem payback em 3 anos, mas os fluxos de caixa são constantes e outro tem payback em 5 anos mas, os fluxos de caixa são crescentes? Não se pode comparar os projetos apenas assim, a “olho nu”, você tem que colocar as alternativas em bases iguais de tempo. Pode-se usar o MMC ou o Pagamento Anual Equivalente.

4. Opções de saída

Você descobrir no primeiro ou segundo ano que o projeto era ruim, não precisa esperar ir até o fim do 10º ano para perder o dinheiro. Você pode buscar projetos que te dão “saídas de emergência” caso algo dê errado. É o que chamamos de “Real Options”, saber incluí-las no projeto e calcular o quanto de valor elas geram é uma arte, essencial para os projetos atuais.

5. Cenários

Ver se o custo do seu empréstimo se altera ao longo dos 10 anos do projeto? E se você quebrar um covenant e tiver que reduzir o tamanho da dívida? É preciso simular algumas combinações de catástrofes para perceber que algumas delas são mais impactantes no seu negócio do que outras. Ao conhecer essa sensibilidade você pode buscar se proteger delas.

 

O curso Analise de Viabilidade Financeira de Projetos da FK Partners cobre as principais lacunas que envolvem novos negócios. É aplicável aos profissionais do Mercado Financeiro que lidam com Project Finance, Venture Capital, M&A, Tesourarias de Empresas, áreas de crédito. Saiba mais clicando aqui.

 

Publicado em 16/17/2021

CPA-10 ou CPA-20? Qual a melhor opção para você?

 

Muitos profissionais entram em contato com a gente com dúvidas sobre qual das certificações escolher, então vamos mostrar para você algumas informações para te ajudar a decidir a melhor opção de acordo com o seu momento de carreira.

Tanto a certificação CPA-10 como a CPA-20 são da ANBIMA, a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais, que é uma associação que representa as instituições como bancos, gestoras, fundos de investimento, corretoras, distribuidoras e investidores qualificados. Com essas certificações a ANBIMA garante que os profissionais do mercado financeiro nacional tenham um “selo de qualidade”.

 

A CPA-10 certifica profissionais que atuam na prospecção ou venda de produtos de investimento diretamente para o público, em agências bancárias ou plataformas de atendimento, sejam elas vinculadas ou não à ANBIMA.

Já a CPA-20 certifica profissionais que atuam na venda de produtos de investimento ou na manutenção de carteiras nos segmentos varejo alta renda, private banking, corporate e investidores institucionais, em agências bancárias ou plataformas de atendimento.

 

Quem tem CPA-20 pode, automaticamente, exercer as atividades abrangidas pela CPA-10 ou seja uma sobrepõem a outra.

 

Recentemente três tipos de profissionais começaram a buscar muito a CPA-20: estudantes, órgãos de fundos de previdência públicos (os chamados RPPS) e funcionários de empresas privadas, que gostariam de ter esse mesmo selo de qualidade que bancários têm.

O que percebemos é que a CPA-10 é mais para aqueles que buscam entrar no banco e iniciar carreira. É uma forma de entrar em um programa de trainee agregando algo para o banco (se você não tivesse, o banco teria que pagar o curso e a prova pra você ter).

Mas para cargos gerenciais, mesmo nas agências, a CPA-20 já é a exigência e o diferencial.

Se você está em dúvida qual é melhor pra você, preparamos esse resumo que pode te direcionar:

 

 

 

CPA10

CPA20

Funcionários de agencia (caixa, assistentes de atendimento)

X

Gerentes de atendimento (PF, PJ ou Gerente Geral)

X

Gerentes de relacionamento (comerciais)

X

Corretores e distribuidores de valores mobiliários

X

Estudantes de cursos que tiveram Economia e Finanças na grade

X

Estudantes de outros cursos

X

Funcionários de autarquias e órgãos públicos

X

Funcionários de Tesouraria de Empresas

X

Gerentes e Diretores Financeiros

X

 

Se você não estiver em nenhuma dessas situações, procure a FK que te ajudamos a encontrar a melhor opção para a sua carreira.

Já decidiu qual a melhor opção para você? Então prepare-se com a FK Partners. Você será direcionado para o Site da FK Lab, no qual você poderá adquirir o curso desenvolvido pela FK Partners:

 

Saiba Mais sobre as nossas certificações CPA-10 e CPA-20 

 

Publicado 06/02/2020

Como redigir cartas de apresentação para estudo no exterior

Conheça os modelos mais pedidos pelas instituições e como escrevê-los bem.

São diversas as etapas a cumprir e os documentos a preencher para estudar no exterior. Um dos que mais causam preocupação ao candidato é a carta de apresentação. O principal motivo para a apreensão é que não há um modelo pronto disponível a ser seguido e, por isso, as dúvidas são muitas.

Em primeiro lugar, o tipo de carta de apresentação pode ser diferente de acordo com o curso ou instituição. Para um MBA no exterior, o mais comum é que seja pedida uma carta de recomendação profissional. Para o mestrado, além da profissional, a acadêmica também costuma ser uma exigência. A maioria pede, ainda, uma carta motivacional ou de apresentação pessoal (personal statement), que deve sintetizar para os avaliadores os motivos da escolha do candidato pela instituição e a importância disso para sua carreira e futuro.

Orientar profissionais e universitários sobre como escrever boas cartas de apresentação faz parte da rotina do norte-americano Darrin Kerr desde 2004. Foi nesse ano que abriu a FK Partners, empresa em São Paulo que oferece cursos de certificação na área de finanças e consultoria para quem quer fazer graduação, MBA ou mestrado no exterior. Kerr aponta os erros mais comuns cometidos pelos candidatos e dá as dicas para causar uma boa impressão e ser aprovado para seu curso fora do Brasil.

Erros comuns

– Achar que a carta de recomendação será mais efetiva se for assinada por alguém com um alto cargo na empresa e na universidade.
A carta de recomendação deve ser escrita e assinada por alguém que realmente conheça o candidato. Isso vale tanto para a modalidade profissional quanto para a acadêmica. Apenas um chefe direto ou um professor bastante próximo poderá escrever com propriedade sobre os pontos fortes e fracos do candidato.

– Só falar dos pontos fortes
A carta deve ser verdadeira, porém sem exageros nos elogios. A instituição ou universidade estrangeira não está procurando pessoas perfeitas, mas alunos de diferentes perfis que possam contribuir e agregar experiências junto aos outros colegas. E, acima de tudo, que possam usufruir do que o curso vai oferecer.

– Escrever demais
Os candidatos são muitos e, quanto mais enxuta e objetiva for a carta, mais chance tem de ser lida com atenção pelos avaliadores. Portanto, não deve ultrapassar duas páginas.

– Não investir em um bom tradutor
O avaliador deve entender a mensagem perfeitamente. Por isso, vale a pena pagar para um bom tradutor fazer a versão da carta no idioma do país da instituição para a qual você está aplicando. Tradutores on-line não bastam!

Agora que você já sabe o que evitar, saiba como escrever uma boa carta, seja ela de recomendação ou de apresentação:

CARTA DE RECOMENDAÇÃO PROFISSIONAL OU ACADÊMICA

Escolha o chefe ou o professor que irá redigir o documento. É importante que a carta confirme tudo aquilo que você já disse em entrevistas anteriores ou na sua própria carta de apresentação. Deve estar em papel timbrado ou template da empresa ou universidade.

1. Seguir o que foi pedido

É cada vez mais comum, em especial no caso dos MBAs, que a instituição passe uma lista de perguntas a serem respondidas na carta, seja a profissional ou a acadêmica. Todas as respostas devem ser acompanhadas de exemplos. Se for destacar que o candidato é um bom colega, deve explicar o motivo. Exemplo: substituiu uma colega em licença maternidade e conseguiu fechar um projeto com o cliente, que estava apreensivo devido ao afastamento da funcionária que era seu ponto de contato.

2. Conteúdo mínimo

Algumas instituições, hoje, já disponibilizam um sistema on-line em formato de pergunta e resposta com espaço para preenchimento. Nesse caso, o candidato deve informar o e-mail do chefe e/ou professor escolhido e a instituição entra em contato diretamente com ele para enviar o link de acesso.

A seguir, confira os itens que costumam estar na lista das exigências. Se a sua instituição não passar as orientações, siga esse roteiro:

a) Como é seu relacionamento com o candidato
Aqui o professor ou chefe deve responder a relação formal que existe entre vocês e há quanto tempo, bem como as atividades que o candidato desempenha sob sua orientação ou comando

b) Mostre um exemplo de liderança do candidato
Como o candidato se comportou e desenvolveu um projeto em que foi líder e os resultados disso. No ambiente universitário, pode contar os grupos e clubes dos quais você fez parte.

c) Destaque dois pontos fortes
A pergunta costuma ser aberta, mas além de liderança, criatividade, capacidade de inovar, facilidade em trabalhar em grupo e boa comunicação são algumas características muito valorizadas. Vale a pena apostar em duas delas.

d) Indique dois pontos a melhorar
Aqui o chefe ou professor deve citar duas características a serem melhoradas e dizer como elas já têm sido trabalhadas pelo postulante. Por exemplo, se o ponto a ser melhorado é comunicação interpessoal, vale dizer que tem dado feedback sobre isso ao candidato a cada seis meses e que ele tem evoluído, demonstrando interesse em realizar apresentações à equipe a fim de treinar a habilidade.

e) Como é o candidato em relação a seus colegas de mesmo nível ou pares
Destacar pontos fortes, ressaltar que é um dos melhores em alguma atividade ou características e explicar o motivo, dando exemplos.

f) É realmente um bom candidato para o MBA ou mestrado nesta universidade ou instituição?
Explicar o que o curso vai contribuir para a formação em termos de conteúdo, assim como a experiência internacional.

CARTA DE APRESENTAÇÃO OU DE INTENÇÕES

Essa é a declaração que o próprio candidato precisa escrever contando sobre suas intenções, características e planos para o futuro. Além de seguir os mesmos passos da carta de recomendação, é essencial que você conte seus planos para depois do mestrado ou MBA e a maneira como ele contribuirá para seu caminho até os objetivos.

Outro ponto importante é destacar características diferenciais, como um terceiro idioma (além do materno e do país onde pretende estudar), intercâmbios e viagens internacionais, trabalho voluntário e habilidades incomuns à sua área. Exemplo: se você é administrador de empresas, mas já desenvolveu um aplicativo, vale a pena contar, pois mostra uma habilidade técnica que poucos colegas da sua área têm.

Gostou desse artigo? Conheça o serviço de consultoria que vai apoiar você na realização de seu sonho e construa uma carreira de sucesso.

 

Publicado em 19/04/2018

4 motivos para fazer uma certificação CPA-10

O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo e, assim, virou uma necessidade se aprimorar e diferenciar para entrar no mercado e subir na carreira. Porém, conhecimento não é tudo — é preciso algo que ateste suas capacidades profissionais e seu conhecimento.

Nesse contexto, merece destaque a certificação CPA-10, que atesta as habilidades e as competências práticas de um profissional que atua na área de investimentos.

Ela foi desenvolvida pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercadores Financeiros e de Capitais (ANBIMA), que atua com o objetivo de fortalecer o mercado financeiro. Para isso, ela criou uma série de certificações, entre elas, a Certificação Profissional ANBIMA – Série 10 (CPA-10).

A CPA-10 destina-se a atestar que profissionais que desempenham atividades de comercialização e distribuição de produtos de investimento diretamente junto ao público investidor em agências bancárias, bem como de atendimento ao público investidor em centrais de atendimento tenham conhecimento do mercado.

 

Agora que você conhece um pouco sobre a CPA-10, mostramos a seguir os 4 principais motivos para conquistar seu certificado. Continue a leitura e fique de olho!

 

1. Atua como selo de aprovação

Ao pleitear um cargo de trabalho, é necessário mostrar suas qualificações – normalmente, com um currículo. É uma forma do profissional mostrar que “merece” a vaga.

Suponha uma disputa de vaga. Não é obrigatório ter a CPA-10, mas é um diferencial. O candidato A dirá que entende bem sobre o mercado financeiro e está acostumado com a área. Outro candidato, B, apresentará uma certificação de uma associação famosa e enraizada no mercado que atesta seu conhecimento. O candidato B possui vantagem nesse quesito e, provavelmente, terá preferência na hora da decisão final.

 

2. Facilita a entrada no mercado

Em 2005, foi aprovada a Resolução 3309 do Banco Central do Brasil. De acordo com ela, os profissionais que trabalham nas áreas de venda ou prospecção de investimentos devem ter suas habilidades certificadas por uma entidade reconhecida.

Ou seja, qualquer pessoa que queira trabalhar com venda ou análise de investimentos para o publico, no Brasil, precisa de uma certificação — e a CPA-10 é uma das melhores opções. Se quiser entrar no mercado financeiro, precisa se dedicar!

 

3. Pode elevar sua renda mensal

A essa altura, você já percebeu que ter uma certificação CPA-10 é uma obrigação legal ou um diferencial no mercado. Mas, nos últimos tempos, o Brasil vive um período de crise, caracterizado por um alto nível de desemprego.

Para quem deseja entrar no mercado de venda de investimentos ou escalar na carreira, ter certificações como a CPA-10 é uma necessidade. Com seu conhecimento e capacidade técnicas atestados, o profissional possui maior estabilidade no seu cargo e melhores chances de uma promoção.

 

4. Mais conhecimento na área de investimentos

A área de estudos financeiros é muito extensa. São muitos tipos de investimentos, leis e procedimentos a serem lembrados. Um profissional competente deve se manter atualizado em sua zona de atuação.

Dedicar-se ao exame de certificação CPA-10 também é uma maneira de aumentar seu conhecimento. Sabendo mais sobre o mercado financeiro, você se tornará um profissional mais competente para sua empresa.

Além disso, como você deve estar imaginando, não é fácil ser aprovado nessa prova. Os temas abordados vão desde Sistema Financeiro Nacional e Participação no Mercado até Fundos de Investimentos. Além disso, para receber a certificação, o profissional deve acertar 70% da prova.

 

Portanto, é muito importante encontrar um método e uma plataforma de estudo que se adéquem ao seu perfil. Também é essencial ter contato com professores que atuam diretamente no mercado e, obviamente, ter acesso a informações confiáveis e de qualidade.

 

Publicado 05/04/2018

Qual a melhor maneira de estudar para o exame CFA®

Obter a certificação CFA® (Chartered Financial Analyst®) é um divisor de águas na vida de qualquer profissional da área financeira.

Mundialmente reconhecida como a mais importante certificação da área, ela dá ao profissional um atestado de qualidade que o permitirá trabalhar em 150 países, independentemente de sua origem.

Quer entender melhor como funciona essa certificação e descobrir como obtê-la? Acompanhe o post!

Como utilizar a certificação CFA®?

Reconhecido mundialmente como um atestado de qualidade, o profissional aprovado pode incluir a sigla na sua assinatura, em cartões de visita e e-mail.

No entanto, não existe uma certificação parcial. Para ser um CFA® charterholder, você deve ser aprovado nos três níveis do exame.

Como obter a titulação?

A titulação é fornecida pelo CFA Institute, responsável por aplicar as provas, concomitantemente, no mundo todo. Ou seja, no Brasil, nos Estados Unidos ou no Marrocos, a prova é exatamente a mesma e a exigência também.

Os exames são aplicados duas vezes ao ano, nos meses de junho e dezembro. Em junho se dão as provas para os três níveis, e em dezembro apenas a do primeiro nível. Não há tempo de intervalo exigido para que o candidato faça as provas de cada nível.

Além de fazer os exames, é necessário um mínimo de quatro anos de experiência comprovada na área, antes ou depois da aprovação nas provas. Ou seja, mesmo que alguém que nunca trabalhou antes passe nos três níveis, só poderá obter a certificação após comprovar os quatro anos de experiência, por meio de um questionário minucioso respondido e enviado ao CFA Institute por e-mail.

Como são as provas para obtenção da titulação CFA®?

Os assuntos abordados compreendem o cenário financeiro como um todo, e o candidato precisa deter conhecimentos desde questões básicas de economia até específicas do mercado, passando por temas mais filosóficos, como ética.

O exame é dividido em três níveis, cada um com seis horas de duração (três horas pela manhã e três à tarde), aplicados em inglês.

– No Nível I, a média de tempo para responder cada questão é de 1,5 minuto. São 240 questões de múltipla escolha, de caráter mais superficial.

– No Nível II, são 120 questões mais aprofundadas. O candidato deverá ser capaz de avaliar rapidamente as situações e relacionar as áreas do conhecimento.

– No Nível III, a prova é dividida entre questões dissertativas e de múltipla escolha.

Uma certificação difícil

Em geral, os candidatos levam cerca de três anos para obter a aprovação nos três níveis, desde que se dediquem ao máximo. Afinal, a média de aprovação no processo todo é de 20%, e você só pode realizar a prova de um determinado nível depois de ter sido aprovado no anterior.

Mas o esforço vale a pena. Obter uma certificação CFA® pode ter um peso maior do que fazer um MBA ou uma pós-graduação, uma vez que demonstra que o profissional não só conhece a fundo o mercado financeiro mundial, como é capaz de suportar a maratona da aprovação.

Como se preparar para os exames?

Estudar sozinho é possível, mas requer muita dedicação e disciplina — e pode levar mais tempo do que o estudo com o auxílio de algum curso preparatório. Hoje já existe uma rede de cursos e professores especializados nas suas etapas.

Escolha o curso certo

No entanto, você precisa ficar atento na hora de escolher o curso certo para investir. Procure aqueles voltados especificamente para a certificação CFA®, que foquem não apenas em dar aulas, mas ofereçam laboratórios de exercícios com acompanhamento de professores e simulados parciais e completos.

É importante, também, atentar para que a escola ofereça professores certificados e capazes de acompanhá-lo durante os três níveis. Muitas escolas oferecem programas apenas para o Nível I, que, de maneira geral, é o mais simples de todos.

No mercado desde 2004, a FK Partners tem treinado a maior parte dos CFA® charterholders do Brasil, oferecendo acompanhamento individual com relatórios, diagnósticos e follow-up, durante todo o processo de obtenção do certificado.

Quer ser um CFA® chaterholder? Entre em contato conosco!

O CFA Institute não endossa, promove ou garante a exatidão ou qualidade de produtos e serviços oferecidos pela FK Partners. CFA Institute, CFA® e Chartered Financial Analyst® são marcas registradas do CFA Institute. 

 

Publicado em 04/09/2017

7 fatos que você não sabia sobre o CGA…

…e 7 motivos pra se tornar um Gestor de Ativos Anbima!!

1 – O CGA dá ao profissionais habilitação para atuar na gestão de carteira de títulos e valores mobiliários, além de passar a ter alçada/poder discricionário de investimento (compra e venda) dos ativos integrantes dessa carteira.

2 – É uma certificação da Anbima, a entidade reguladora dos Mercados Financeiro e de Capitais do Brasil e a prova é aplicada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

3 – Pode ser conseguida no mesmo dia. Tem apenas dois módulos, que podem ser prestados no mesmo dia se o candidato assim desejar. A FK Partners prepara os alunos para fazer os dois módulos no mesmo dia.

4 – Comparado a um MBA ou qualquer curso de especialização é sensivelmente mais barato. Curso + inscrição pra prova custam menos de R$6 mil, all in (por todo o trimestre)

5 – Dá profundidade e competência ao candidato em temas muito valorizados no mercado financeiro, como Econometria, Corporate Finance, Renda Fixa e Renda Variável, Estratégias com Derivativos, Investimentos no Exterior, além do profissional CGA aderir a um rigoroso código de Ética.

6 – Como gestor de ativos, o profissional aprende e é testado em Teoria Moderna de Carteiras, Modelos de Precificação, Finanças Comportamentais, Gestão e Política de Investimento, Rebalanceamento de carteiras e Ferramentas de Gestão de Risco, como [email protected]®.

7 – Existem atualmente menos de 2 mil CGAs no Brasil (Fev/2018), sendo uma distinção muito grande e uma oportunidade para movimentos verticais e diagonais de carreira.

A FK Partners é a única empresa que prepara candidatos para o CGA desde Jun/2010.
Temos uma taxa de aprovação aproximadamente 1,5x maior que a média do mercado!

Venha buscar a preparação necessária para se tornar um CGA.

 

Publicado em 06/03/2018

Por que entender de modelagem financeira?

A atual conjuntura econômica, marcada por recessão e alta competitividade no mercado, exige que as empresas busquem atrair novos investidores e aportes de capital. Para isso, é fundamental que o empreendimento demonstre que tem potencial e apresenta boas projeções para o futuro.

É nesse contexto que, nos últimos anos, a procura por profissionais especializados em modelagem financeira vem aumentando. Atualmente, esse tipo de conhecimento é primordial para atuação satisfatória no mundo dos negócios.

Pensando nisso, preparamos o post de hoje com as principais informações sobre modelagem financeira — o que é, quais são as suas vantagens e por que vale a pena fazer uma especialização na área. Acompanhe!

Atualizado em 10 | ago Tempo de leitura: 10 min.

O que é modelagem financeira?

A modelagem financeira consiste em um conjunto de técnicas usadas por empreendedores e analistas financeiros com o objetivo de projetar a realidade e o risco de um negócio no longo prazo.

Essencialmente, um modelo financeiro é um modelo matemático criado para representar a realidade de um ativo financeiro, empreendimento ou mercado de forma simplificada. Com esses dados, será possível prever o seu desempenho no futuro e orientar os investidores e empresários para que tomem decisões mais acertadas.

As principais técnicas que envolvem a modelagem financeira baseiam-se na construção e organização de dados numéricos e equações que simbolizam a versão simplificada da realidade do investimento.

Informações positivas significam maior grau de atratividade de investidores para o negócio.

Por que o conhecimento em modelagem financeira é um diferencial no mercado de trabalho?

A capacidade de criar e entender modelos matemáticos é um grande diferencial para o profissional que deseja traçar a capacidade de sobrevivência e valorização de um negócio ou investimento, avaliando o seu desempenho no longo prazo.

Assim, a modelagem financeira pode ser aplicada nas mais diversas áreas, tais como:

– Consultoria: realizar diagnósticos da situação financeira de empresas e propor estratégias de crescimento;

Portfolio management em bancos e fundos: compreender e identificar mudanças na economia, tomando decisões sobre investimentos;

Private banking: auxiliar o cliente a montar a melhor carteira de produtos financeiros;

– Grandes corporações: avaliar e contabilizar possíveis aquisições;

Equity research: a modelagem financeira facilita as pesquisas de analistas sell-side e buy-side na projeção do desempenho de organizações.

Por que vale a pena fazer uma especialização na área?

Para que o profissional seja bem-sucedido na área de modelagem financeira, é altamente recomendável que ele busque uma especialização.

Com a finalidade de desempenhar essa tarefa, será necessário que o analista desenvolva fortes habilidades organizacionais e profunda compreensão de conceitos de contabilidade e finanças.

Além disso, será esperado que, ao final de suas investigações, ele possa criar um modelo dinâmico e prático para avaliar as projeções e resultados do investimento.

Se quiser se destacar no mercado, o profissional deve buscar uma especialização que contemple em sua grade os seguintes conteúdos:

– FSM (modelagem de demonstrações financeiras no Excel) — software e aplicativo de melhor acesso e facilidade de uso pelo cliente;

Valuation — modelagem de fluxo de caixa descontado (DCF) no Excel e múltiplos;

– Modelagem de aquisições alavancadas (Leveraged Buy Outs);

– M&A Modeling — avaliação da empresa-alvo;

– Noções de Investment Banking;

– Modelagem de projetos de geração de energia elétrica em todas as suas fases;

– Modelagem de análise de crédito.

A formação de um analista especializado em modelagem financeira deve ser voltada para a solução de problemas do mundo real por meio de modelos matemáticos e tratamento numérico dos resultados.

Assim, são imprescindíveis a atualização e a reciclagem de competências para identificação de oportunidades, riscos e compreensão do comportamento do mercado.

Gostou de saber como a modelagem financeira pode ser uma excelente opção para o seu aprimoramento profissional? Então, não deixe de entrar em contato com a FK Partners para conhecer as nossas especializações!

Certificação CGA e sua importância para atuar no mercado financeiro

A Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais, mais conhecida como ANBIMA, é um órgão de autorregulação e representação do mercado. Dentre as suas ações, ela criou a certificação CGA, que significa Certificado de Gestores ANBIMA.

Esse certificado tem como principal objetivo autenticar o conhecimento dos gestores, visando a ampla presença de ferramentas e produtos necessários para a execução eficiente da sua função.

Então, interessado em saber mais sobre essa certificação? O objetivo do post de hoje é explicar a sua importância dentro do mercado financeiro e apresentar os principais conceitos da certificação CGA. Continue com a gente para conferir!

O que é a certificação CGA?

A Certificação de Gestores ANBIMA — ou CGA, como dissemos — é um certificado para os profissionais que trabalham e detêm o poder de tomada de decisão em investimentos na gestão de recursos de terceiros.

Esse trabalho de gestão pode ser exercido por meio de veículos de investimentos coletivos, como clubes de investimentos e fundos de investimentos, ou investimentos individuais, como carteiras administradas.

Qual é a importância dessa certificação no mercado financeiro?

Não é considerada uma certificação obrigatória pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mas é obrigatória para os funcionários de organizações que trabalham de acordo com o código de certificação ANBIMA.

A Associação foi criada na segunda metade de 2009, por meio da união entre a Associação Nacional dos Bancos de Investimento (ANBID) e a Associação Nacional das Instituições do Mercado Financeiro (ANBIMA). Assim, ela fala em nome de instituições como distribuidoras, bancos, administradoras, corretoras e gestoras, contendo cerca de 340 associados.

Ou seja, a ANBIMA representa essas instituições e também trabalha de forma voluntária com auto-regulamentação, usando códigos de melhores práticas. Ela é considerada a principal organização que certifica os profissionais que atuam no mercado financeiro e no mercado de capitais do Brasil. E a sua certificação carrega essa importância.

Para quem a certificação CGA é destinada?

– aos profissionais que atuam em empresas que adotam o Código de Certificação ANBIMA.

– aos profissionais que atuam no mercado dentro de organizações financeiras, mesmo que elas não adotem o código.

– aos profissionais e estudantes de órgão públicos ou autarquias.

Quais são os principais conteúdos presentes no exame?

certificação CGA tem dois módulos, cada um contendo 60 questões. O processo de certificação acontece cerca de 4 vezes ao ano: geralmente, em abril, junho, outubro e dezembro.

Para passar nas provas — o que, no caso, é a etapa mais importante da certificação — o aluno deve ter um aproveitamento de 70% em cada módulo.

No primeiro módulo, temos diversas matérias em que são apresentadas as ferramentas utilizadas no mercado (análise de balanço, economia, modelos quantitativos etc.), intercalados com a teoria que existe no mercado de renda fixa, derivativo e variável. Também são abordadas algumas questões sobre legislação e ética dos fundos brasileiros.

Geralmente, esse primeiro módulo tem como foco matérias mais objetivas, para avaliar e testar os conhecimentos de cada candidato levando em consideração os principais produtos presentes no mercado brasileiro.

Já o segundo módulo tem um maior grau de subjetividade. Agora, a maior parte das matérias trata de teorias de gestão de carteiras de renda variável e fixa, gestão de risco de desempenho e modelos de precificação.

O teste conclui muito bem o seu objetivo, que é cobrar dos candidatos uma visão mais amplas dos produtos, das teorias e das leis que então dentro dos processos de tomadas de decisões.

Hoje, existem poucas pessoas com esse certificado, logo, ter um em suas mãos representa um diferencial e tanto no mercado. Então, agora que você já entendeu a importância da certificação CGA, é hora de conquistar a sua!

Se gostou nosso post e quer saber mais sobre o assunto, saiba que estamos à sua disposição. Entre em contato conosco!

Se você quer conhecer um pouco mais sobre nossos cursos de produtos financeiros de tesouraria, assine agora mesmo a nossa newsletter e fique por dentro das novidades!

 

Publicado em 02/05/2018

Uma Carreira em Investment Banking

Investment bankers são os responsáveis por auxiliar empresas do ramo de finanças corporativas em fusões e aquisições, reestruturações corporativas e compra e vendas de ativos. Eles as ajudam a gerar capital nos mercados por meio da venda de instrumentos de dívida como títulos corporativos, IPOs, ofertas secundárias e colocações privadas.

Atualizado em 30 | ago. Tempo de Leitura 4 min.

O que faz um Investment Bank?

Esses profissionais geralmente trabalham no departamento de Investment Banking em bancos maiores ou em Investment Banking boutiques. As tarefas típicas incluem:

– Criar livros de argumentos de vendas para educar clientes potenciais sobre o cenário da indústria, junto com as possibilidades de negócios de fusões e aquisições;

– Construir modelos financeiros para consultoria;

– Estruturar negócios e transações de fusão e aquisição e vender novas ofertas de ações ou dívidas;

– Viagens à trabalho e visitas a clientes para argumentar sobre a venda de novos negócios, e também acompanhá-los em conversas externas com investidores.

Para você que está começando agora, veja alguma dicas:

Os profissionais ainda em fase “júnior” dessa área devem ser habilidosos com os programas Microsoft Excel e Powerpoint, pois passarão períodos construindo modelos financeiros e apresentações. São necessários fortes conhecimentos sobre contabilidade financeira, uma vez que irão aconselhar clientes sobre as últimas tendências do setor. Já os banqueiros seniores são responsáveis por desenvolver relacionamentos sólidos com os gerentes no mesmo nível da empresa para fechar negócios.

Se você está procurando uma carreira na qual trabalhará em transações que cheguem às manchetes da seção de negócios do jornal, a área de Investment Banking pode ser uma boa opção para você! Embora o trabalho seja intenso, a experiência costuma abrir oportunidades para trabalhar em níveis seniores das empresas ou, futuramente, em até fundos de investimento.

 

O que é necessário para desenvolver uma boa carreira no setor bancário?

O setor bancário é certamente um campo atraente para quem visa bons salários e benefícios adicionais, como participação no lucro das empresas e até auxílio para pagar academia.

Se você visa uma carreira em banco, procure entender algumas questões essenciais que vão te ajudar nesse processo. Isso vai desde a faculdade que você faz até cursos extras que complementarão o seu currículo.

Nas dicas a seguir, você vai descobrir a melhor maneira de achar o seu lugar ao sol no setor bancário.

 

1. Faça faculdade e habilite-se profissionalmente

Não muito diferente de outras áreas em que existe chance de progressão, o mercado financeiro também exigirá de você formação em alguma faculdade que possa ser útil à estrutura de um banco.

As possibilidades são várias e você deve escolher aquela que melhor atende ao seu perfil e aos seus objetivos. Veja alguns dos cursos mais recorrentes no setor bancário:

– Administração;

– Economia;

– Ciências Contábeis;

– Sistema de Informação;

– Segurança da Informação;

– Marketing.

Aqui citamos apenas algumas faculdades de diferentes campos do conhecimento. Porém, saiba que isso se estende a diversos outros como Gestão Financeira, Direito e até mesmo Engenharia.

Outra questão essencial é tirar o certificado CPA-10 (Certificação Profissional ANBIMA — Série 10) que habilita profissionais atuantes na prospecção ou venda de produtos de investimento. Existem diversos cursos que preparam para o exame de certificação e você deverá estar apto para isso.

2. Desenvolva suas habilidades comportamentais

Ter uma graduação é o requisito mínimo para ter destaque no setor bancário. Portanto, você terá que ir além e conquistar o seu espaço no mercado por meio de atitudes que comprovem sua capacidade de gerir e liderar.

Em concursos para bancos públicos, por exemplo, costuma-se aceitar graduados de qualquer área, o que pode tornar o seu desejo de se destacar ainda mais complexo.

Além do mais, pense que para conseguir um cargo de gestão de forma consistente e honesta, você terá que começar mais baixo e traçar um plano que o fará atingir o cargo de gerência com legitimidade e sem desgastes desnecessários.

Nesse sentido, existem alguns comportamentos que podem te ajudar:

1. não se afobe em querer um alto cargo em um curto período de tempo;

2. treine e dome sua capacidade de lidar com pessoas diferentes e novos desafios;

3. seja organizado em sua vida pessoal e transpareça isso no seu trabalho;

4. a verdadeira liderança não vem da força, mas sim do exemplo individual.

Trocando em miúdos, você não vai querer ser gerente de banco se não estiver realmente preparado — e isso vai além da graduação somente.

3. Seja “um ás” do setor bancário

Sim, é muito bom e essencial que você seja graduado e tenha boa capacidade de relação interpessoal. Porém, para chegar no topo você ainda vai precisar de mais do que isso. Afinal, pode existir um número considerável de pessoas graduadas e bem relacionadas que almejam o mesmo cargo que você.

Por isso, existem alguns cursos e formações complementares fundamentais para quem busca ascensão no setor bancário. Com essas especializações, é possível obter conhecimentos práticos que farão a diferença no seu dia a dia profissional.

Fazer um bom curso de inglês e estudar fora, são outros pontos que certamente te auxiliarão a atingir uma posição de destaque. Aliás, você deve juntar o útil ao agradável e aproveitar a chance de estudar fora para aprimorar de uma vez por todas o seu inglês.

Com essas 3 dicas simples, já é possível dar um salto na maneira como você encara o setor bancário e otimizar sua carreira. Se gostou do texto, não deixe compartilhar nas redes sociais para que a gente possa continuar ajudando mais profissionais dessa área.